Sexta-Feira, 14 de Fevereiro de 2020, 11h:48

Tamanho do texto A - A+

Silval Barbosa deve depor na CPI do Paletó em março

Por: WELLYNGTON SOUZA

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Paletó, agendou para 2 de março, o depoimento do ex-governador Silval Barbosa (sem partido), diante da investigação que apura uma suposta quebra de decoro do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB). A Comissão se reuniu nesta sexta-feira (14), na Câmara dos Vereadores.

Alan Cosme/HiperNoticias

silval barbosa/CPI do paleto

 

De acordo com o presidente da Comissão, vereador Marcelo Bussiki (PSB), o primeiro a depor será o ex-chefe de gabinete de Silval, Sílvio Corrêa, que ficou marcado para o próximo dia 19 de fevereiro. Outros três depoimentos ficaram para o mês de março.

Após o ex-governador, os vereadores ouvirão o servidor público Valdecir Cardoso de Almeida no dia 9, enquanto o ex-secretário de Indústria, Comércio, Minas e Energia (Sicme), Alan Zanata deverá depor no dia 16.

Além de Bussiki, também fazem parte do grupo os vereadores Toninho de Souza (PSD) e Sargento Joelson (PSC), relator e membro, respectivamente. "Nesse andamento da CPI vamos trabalhar com a maior transparência possível para que o cidadão possa acompanhar o envolvimento dos trabalhos, os vereadores também poderão participar propondo nova solicitação de documentos. Temos a obrigação de estar fazendo essas investigações”, disse Bussiki.  

Sessão secreta

Ainda nesta sexta-feira (14), um dos membros da comissão, o vereador sargento Joelson apresentou um requerimento propondo que as reuniões fossem realizadas secretamente. A proposta gerou revolta nos vereadores de oposição que estavam acompanhando o encontro. O requerimento apresentado será apreciado pela CPI.

O vereador Diego Guimarães (PP) questionou a possibilidade da CPI não se tornar pública. "O sigilo é um desrespeito ao cidadão, que quer saber o que acontece dentro dos entes públicos principalmente dentro de um Parlamento, de um fato público, notório. A delação de Silval Barbosa foi quebrada sigilo e por que a CPI não tem que ser pública? O que tem para esconder nessa CPI do Paletó?", questionou ao HNT/Hipernotícias.

Retomada da CPI

A retomada da CPI do Paletó atende a uma decisão da desembargadora do Tribunal de Justiça (TJMT), Helena Maria Bezerra Ramos. A desembargadora revogou a própria decisão dada por ela anteriormente, quando o trabalho foi suspenso, em outubro de 2019, a pedido do presidente da Câmara de Cuiabá, Misael Galvão (PTB). Na ocasião, ele foi contra a composição da Comissão, que apura a suposta quebra de decoro e obstrução da Justiça por parte do prefeito.

Investigados

Antes de ser suspensa pela Justiça no último ano, Silval, Sílvio, Valdecir e Zanatta já foram ouvidos na Câmara. “A gente busca nesse momento, com a retomada do trabalho, ouvir essas pessoas novamente para esclarecer algumas questões, contradições e tirar algumas dúvidas diante das investigações. Vamos buscar esclarecer todas as denúncias”, declarou Bussik.

Na delação premiada, o ex-governador entregou uma série de vídeos de ex-deputados recebendo suposta propina de Sílvio, em seu gabinete. Já Silvio César Corrêa foi o responsável por gravar o prefeito Emanuel Pinheiro. Enquanto o servidor Valdecir Cardoso foi o responsável por instalar a câmera usada para a gravação.

O ex-secretário Allan Zanata, por sua vez, será convocado pois foi o responsável por gravar um áudio junto a Silvio Corrêa, cujo conteúdo supostamente colocaria em risco a delação do ex-governador.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei