Domingo, 01 de Dezembro de 2019, 08h:00

Tamanho do texto A - A+

"Queremos eleger Gisela a primeira mulher prefeita de Cuiabá", diz Alencar

Dilemário Alencar, vê em Gisela Simona características que, segundo ele, agradarão em cheio o gosto popular, na hora de decidir o voto na sucessão municipal de 2020

Por: PAULO COELHO

“Está chegando a hora de Cuiabá ter a primeira prefeita de sua história”. A declaração é do líder da bancada do Pros na Câmara Municipal, vereador Dilemário Alencar, ao se referir à secretária-adjunta do Procon-MT, Gisela Simona.

Hnt/Hipernoticias

Dilemário Alencar /Entrevista HNT

Dilemário Alencar

“Ela é competente, já demonstrou isso à frente do Procon. Mulher, é negra e será nossa grande aposta para o ano  que vem”, enalteceu Alencar, ao HNT/HiperNotícias.

Somente em Cuiabá, a votação de Gisela passou de 30 mil, o que automaticamente a colocou, dentro do Pros, como pré-candidata a prefeita em 2020. Já há, inclusive, o endosso do Pros nacional quanto à candidatura de Simona a prefeita da Capital de Mato Grosso, no ano que vem, conforme lembrou o vereador.

Para  o parlamentar, não há como seguir com um projeto majoritário, sem que haja uma boa aliança, uma vez que coligações somente estarão proibidas, para as chapas proporcionais. Nesse sentido o partido pretende estreitar as conversas a fim de encontrar um nome que agregue ao perfil de Gisela. A própria pré-candidata já admitiu rejeição a partidos que sustentam a gestão do atual prefeito Emanuel Pinheiro (MDB). "Ela tem, inclusive, carta branca para tomar as decissões que achar convenientes para o partido quanto a esse processo eleitoral", enalteceu Dilemário que é o antecessor de Gisela no comando do Pros municipal.

Proporcional

O Pros fechou  questão sobre a possibilidade de apenas um vereador com mandato, compor a chapa  que disputará cadeiras da Câmara Municipal. Nesse caso, o único que disputará, será o próprio Dilemário, que não concorda com  a decisão, mas que garante que a respeitará. A decisão  interna, na opinião de Alencar pode dificultar sobremaneira, que a sigla atinja o coeficiente eleitoral, que para o pleito do ano que vem, deve ser maior de que 12 mil votos. “Pra mim, a chapa poderia ter pelo menos dois nomes já com mandato, o que facilitaria para que elegêssemos até mais de um vereador. Mas, se a maioria decidiu assim, eu respeito”, frisou Dilemário, que no pleito passado  (2016) obteve 3.482 votos.

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei - 3