Sexta-Feira, 07 de Agosto de 2020, 08h:27

Tamanho do texto A - A+

Prefeito explica que não abriu parques públicos para evitar aglomerações: "Não há como controlar"

Por: REDAÇÃO

“Nas academias dá para estabelecer um controle, que nos parques não é possível”. Dessa forma, o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) explicou o motivo de ter liberado o funcionamento das academias de musculação, ginástica, natação e congêneres, ao mesmo tempo em que manteve suspensas as atividades em parques e outros equipamentos públicos municipais. Os atos constam no decreto nº 8.020 e estão em vigor na Capital desde o dia 27 de julho.

José Cruz/Agência Brasil

Academia exercícios físicos

 

Em entrevista concedida a rádio Mega FM, na quarta-feira (05), o chefe do Executivo destacou que as medidas seguem as recomendações das entidades de saúde, que determinam a coibição da aglomeração de pessoas. Segundo Pinheiro, diferentes dos parques e outros espaços públicos de lazer, nas academias é possível manter um maior controle sobre isso.

“Nas áreas públicas, não é possível ter controle por conta do grande fluxo de pessoas. Tanto é que, mesmo com a suspensão, a população continua indo e não quer saber se está ou não proibido. Com isso, os espaços acabam tornando-se focos de propagação do vírus”, explicou.

O gestor argumentou ainda que as atividades de lazer provocam um relaxamento natural nas pessoas, fazendo com que a atenção com as medidas de biossegurança diminua. “Muitas vezes acontece o contato entre as pessoas de forma mais próxima. É nesse contato que corremos o risco de transformar um momento de lazer em um ato de proliferação da Covid-19”, ressaltou.

O Município é responsável por quatro parques, sendo eles o Parque das Águas, Parque Tia Nair, Parque da Família e Parque da Nascente?—?Yone de Azevedo Campos. Em todos eles, junto com a colocação de faixas informando a suspensão das atividades, foi adotada a desativação de todos os equipamentos que compõem os espaços.

A norma abrange ainda outros equipamentos públicos como, por exemplo, quadras poliesportivas, mini estádios, ginásios de esportes e congêneres. “Mantemos essa proibição com dor no coração, pois somos uma gestão que tem investido muito no lazer à população. Todavia, isso é feito por um bem maior, que é a saúde pública. Temos a certeza que, com cada um fazendo sua parte, vamos voltar a normalidade”, disse.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei