Sábado, 01 de Agosto de 2020, 15h:38

Tamanho do texto A - A+

Adolescente nega brincadeira com arma e diz ter se sentido "mal" com morte de amiga

Por: LUIS VINICIUS

A adolescente de 14 anos que matou Isabele Guimarães Ramos, também de 14 anos, com um tiro supostamente acidental, negou que tenha feito qualquer tipo de brincadeira próxima à vítima. Em depoimento, que o HiperNotícias obteve com exclusividade, a menor explicou que quando foi ao seu quarto quis apenas chamar a amiga para que ela levasse torta a sua mãe. A jovem ainda disse que se sentiu “mal” com o ocorrido. O fato aconteceu no dia 12 de julho, no condomínio de luxo Alphaville I, no bairro Jardim Itália, em Cuiabá.

adolescente alphaville.jpg

 Isabele Guimarães Ramos, 14 anos, morreu com um tiro na cabeça, no condomínio de luxo Alphaville I, no bairro Jardim Itália, em Cuiabá

A oitiva foi realizada no dia 14 de julho, dois dias após a morte, pelo delegado Olímpio da Cunha Fernandes da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) que à época investigava o caso. À autoridade policial, a adolescente afirmou que em nenhum momento quis mostrar a pistola à amiga.

“Foi mostrada essa arma para Isabele?”, perguntou o delegado. Na sequência, a adolescente é enfática: “não”. “Em algum momento ela (Isabele) teve contato com a arma de fogo?”, volta a questionar a autoridade policial. A menor responde: “não”.

O delegado continua: “você teve vontade de ir atrás da Isabele para mostrar a arma para ela?”. A menor responde: “não”. Na sequência, Olímpio faz outro questionamento. “você teve a intenção de mostrar, de fazer alguma brincadeira?”. A adolescente confirma: “não, eu queria chamar ela (SIC)”.

Conforme matéria publicada na sexta-feira (30) pelo HiperNotícias, a adolescente disse no depoimento que ia chamar Isabele para que a vítima levasse torta para a sua mãe.

LEIA MAIS: Em depoimento, adolescente conta como matou a amiga no Alphaville

Logo depois, o delegado pergunta à adolescente como ela sentia com a morte de amiga e a mesma respondeu: “Mal, eu estou mal pelo o que aconteceu porque foi um acidente e... não sei. Eu não tinha nenhuma intenção (de matar Isabele). Eu fiquei em choque primeiro lá em baixo (na sala da casa), e aí eu comecei a chorar e eu não parava de chorar. Eu estava chorando até ontem (13 de julho) à noite. Hoje (14 de julho) de manhã eu acordei um pouco melhor, mas eu voltei a chorar de novo. Eu passei mal de manhã vindo para cá (delegacia) (SIC)”, detalhou.

Veja:

Pós-fato

Depois de Isabele ter sido atingida, a adolescente disse que fechou os olhos e começou a gritar. Na sequência, ela disse ter ido ao quarto dos pais, onde colocou o case (maleta para acondicionar) com as armas.

“Depois do disparo, eu fechei o olho e comecei a gritar porque eu fiquei com medo de ter acontecido alguma coisa com a Bel (Isabele). Aí, apareceu meu irmão. Ele viu que eu estava com o case na mão. Aí ele falou tira daqui, leve esse negócio, ele falou alguma coisa do tipo. Daí, eu tirei e joguei no quarto, joguei não, coloquei no quarto (dos pais). Eu não lembro como, eu só coloquei. Foi no armário que eu coloquei, provavelmente, porque é onde tem o costume de colocar”, explicou.

A menor relatou que após guardar as armas, voltou ao seu quarto e viu Isabele caída e o seu pai, o empresário Marcelo Martins Cestari, 46 anos, em contato com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

“(depois de guardar as armas no quarto dos pais) Eu voltei correndo e quando eu cheguei vi isso aqui (as pernas da Isabele) caída no chão. Quando eu voltei ao meu quarto, meu pai já estava lá com o Samu (na ligação)”.

Veja:

Por fim, a jovem relatou que seu pai pediu para que chamasse a mãe de Isabele. Ao chegar ao quarto, a mulher teria ficado desesperada. A menor relatou que não houve brigas na residência no dia do fato e que ninguém ingeriu bebida alcoólica.

Aí, eu lembro do meu pai ter dito para chamar a mãe da Isabele. Meu pai estava no telefone com o Samu ou com a ambulância, não sei qual que era. E ele (Marcelo) falava: ‘chama a mãe da Isabele, liga para ela’, alguma coisa assim. Aí a mãe dela chegou, eu vi a mãe dela chegando, desesperada. Aí a mãe dela disse: ‘eu preciso do meu celular’.

Veja:

O caso

Isabele morreu no dia 12 de julho, após ter sido atingida com um tiro na cabeça. Em um vídeo obtido pela reportagem com exclusividade, a menor fez uma simulação do fato, na qual voltou a afirmar que o tiro foi acidental.

“Quando eu fui bater na porta do banheiro, o case caiu da minha mão. Eu fui pegar ele (o case) com uma mão e a arma com a outra. Aí eu subi eles e, quando estava colocando a arma, ela disparou (sic)”, relata a adolescente ao descrever o exato momento em que a arma disparou.

No depoimento, a menor informou que após o jantar daquele dia 12 de julho, Isabele subiu ao seu quarto. Diante disso, a jovem disse que foi ao cômodo saber o que que a amiga estava fazendo.

“Meu pai pediu para alguém subir com o case; eu subi com ele (o case). Eu vi a Bel (Isabele) subindo para o meu quarto. Aí eu subi atrás porque eu fui chamar ela (SIC)”.

 

Ao ser questionada pelo delegado sobre o que queria com a vítima, a adolescente disse que “primeiro, eu queria saber o que ela estava fazendo, e, depois, eu queria chamar ela para ela levar torta para a mãe dela, porque ela tinha brigado com a mãe dela. Daí, eu ia falar para ela levar torta porque a gente fez torta de limão para ela (SIC)”.

Minutos antes do disparo, a menor conta que tinha ido procurar pela amiga em alguns cômodos da casa. “Eu entrei no quarto, onde fica as camas. Chamei ela (a Isabele) e ela não respondeu. Eu chamei ela no closet, onde fica os armários, e ela também não respondeu. Quando eu fui bater na porta do banheiro, o case caiu da minha mão. Eu fui pegar ele (o case) com uma mão e a arma com a outra. Aí eu subi eles e quando estava colocando a arma, ela disparou (SIC)”. No depoimento, a adolescente não diz se a porta do banheiro estava aberta ou fechada.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei