Sábado, 01 de Agosto de 2020, 08h:21

Tamanho do texto A - A+

STF manda soltar conselheiro flagrado jogando cheques em lixeira

Por: WELLYNGTON SOUZA

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, concedeu habeas corpus ao conselheiro afastado do Tribunal de Contas (TCEMT), Waldir Júlio Teis em decisão publicada nesta sexta-feira (31).

waldir teis ccc.jpg

 

Conforme a defesa patrocinada por Diógenes Curado, Teis pertence ao grupo de risco da Covid-19 por ter 66 anos e outras comorbidades. Ele está em uma área reservada para presos com prerrogativa, no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC), anexo ao antigo Presídio Carumbé.

LEIA MAIS: Conselheiro do TCE diz ser do grupo de risco e pede liberdade no STJ

Waldir Teis foi preso no dia 1º de julho pela Polícia Federal, suspeito de ter embaraçado a investigação de infração penal, no âmbito da Operação Ararath, deflagrada pela polícia judiciária da União.

A prisão dele acontece um dia após ele ser denunciado pela Ministério Público Federal (MPF). A queixa descreve a tentativa do conselheiro afastado do TCE de embaraçar a atividade da polícia judiciária que, em 17 de junho, cumpria mandados de busca e apreensão em um escritório em Cuiabá, durante a 16ª fase da Ararath- denominada Operação Gerion.

De acordo com MPF, ao notar que os policiais se concentravam em uma segunda sala, Teis recolheu uma série de talões de cheques com cifras milionárias e outras folhas assinadas mas sem preenchimento do valor, que estavam em sala ainda não analisada pelas autoridades. Mas acabou sendo flagrado, e o material, que havia sido jogado numa lixeira, foi recolhido.

Flagrado jogando cheques em lixeira

Em uma gravação, em que o HNT/HiperNotícias teve acesso, é possível ver Teis saindo do seu escritório de maneira tímida. Logo depois, o agente também sai do cômodo e começa acompanhar o conselheiro.

Em seguida, Waldir começa a descer as escadas do prédio de maneira acelerada. Porém, o agente se mantém na “perseguição” para tentar ver quais os próximos passos do conselheiro.

Ao chegar ao que parece ser um subsolo, o conselheiro para em frente ao elevador da entrada de serviço, tira alguns papeis do bolso e os coloca em uma lixeira. Nas imagens, é possível ver que o conselheiro não havia percebido que estava sendo acompanhado.

Na sequência, Teis é “abordado” pelo policial que começa a fazer questionamentos ao conselheiro. Logo após, o agente abre a lixeira e começa a fazer gravações com um celular. Enquanto isso, Teis estende o braço e se apoia na parede do elevador, desolado.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei